ANOTHER BASEADO EM FATOS REAIS?

Another , ou em japonês アナザー (Anazā), é um anime light novel de 12 episódios que os gêneros giram em torno de Drama; Escolar; Horror; Mistério; psicológico que foi lançada em 29 de outubro de 2009 pela kadokawa shotend

Principais Protagonistas de Another:

Kouichi Sakakibara (榊原恒一 Sakakibara Kouichi?)
(Dublado por: Atsushi Abe)

Mei Misaki (見崎鳴 Misaki Mei?)
(Dublada por: Natsumi Takamori)

Confira a sinopse:

Há 26 anos, um incidente mudaria um colégio. A morte de uma estudante exemplar, comunicativa, bonita e simpática, muda o ciclo do colégio. Desde então a Sala 3 do 9° ano do ensino fundamental do Colégio Yomiyama da Zona Norte não é mais a mesma. Na primavera de 1998, um estudante de 15 anos, Sakakibara Kouichi, se muda de Tóquio para Yomiyama, a cidade natal de sua mãe, pelo fato de seu pai estar a trabalho na Índia. Pouco antes do início das aulas ele é internado com pneumotórax. É no hospital, após a visita de alguns dos seus futuros colegas de classe, que ele começa a sentir a atmosfera diferente que envolve a cidade e em especial o seu novo colégio. No hospital ele também conhece uma garota com um tapa olho. Kouichi percebe que somente a sua sala é diferente, e que algo estranho acontece ao seu redor, mesmo sem saber o porquê. Aos poucos ele vai descobrindo o que houve na sala 3 do 9° ano, o incidente de 26 anos atrás, período que sua mãe estudava no colégio, na mesma sala. E aos poucos vai se deparando com terríveis acontecimentos.

Assassinatos em serie

Um dos mais sinistros casos envolvendo crianças psicopatas assassinas ocorreu no Japão. Em 15 de Março de 1997, Ayaka Yamashita, de 10 anos, foi encontrada morta em um beco na cidade de Kobe. Ela havia sido espancada até a morte com uma barra de ferro. Três outras garotas foram atacadas na mesma região. Elas descreveram o atacante como um “menino”. Um mês depois, em 27 de maio de 1997, um estudante de 11 anos chamado Jun Hase desapareceu na frente do portão do colégio. Sua cabeça foi encontrada 3 dias depois pelo zelador um pouco antes dos estudantes entrarem. O estudante fora decapitado com uma serra manual e para dar um ar de filme de terror ao assassinato, havia um bilhete dentro da sua boca, escrito com tinta vermelha. O assassino também usou um símbolo de cruz na carta, símbolos semelhantes foram encontrados pintados nas paredes perto da escola primária onde a cabeça foi encontrada. Dois gatos mutilados também foram encontrados do lado de fora do portão principal da escola secundária onde a cabeça do garoto foi encontrado. Fontes policiais disseram que carcaças de gatos mutilados também foram encontrados perto das duas outras cenas de crime antes que os ataques ocorressem.

Em uma dessas cartas Seito escreve:

“Estou pondo minha vida em risco por esse jogo. Se for pego, provavelmente serei enforcado… A polícia deveria ser mais tenaz e furiosa na minha busca… Só quando mato sou liberado do ódio constante que sofro e posso alcançar a paz. Só quando causo sofrimento às pessoas posso amenizar minha própria dor. Em traços largos a carta também atacou, entre outras coisas, do Japão,” a educação obrigatória, que me tornou uma pessoa invisível. “

Esta segunda carta foi entregue em um envelope marrom carimbado, sem nome e endereço de retorno. Era uma carta de três páginas com aproximadamente 1400 palavras, escrita também com tinta vermelha em caracteres traduzidos como o “Sakakibara Seito”. Os mesmos caracteres, que significavam álcool, diabo, santo e luta, os mesmos usados na primeira mensagem que foi introduzida na boca de Hase.

No pânico inicial, os japonês traduziram o nome assinado pelo assassino como “Onibara” – , sendo divulgado inicialmente dessa maneira; o assassino enfurecido pela confusão, Sakakibara escreveu nessa segunda carta, Obs.: De agora em diante, se vocês… errarem meu nome, matarei três vegetais por semana… Se acham que só posso matar crianças, estão muito enganados.’”

A Prisão

Em 28 de Junho de 1997 Um estudante de 14 anos foi preso em sua casa, suspeito do assassinato de Hase. Logo depois de sua apreensão, o “menino A” confessou também o assassinato de Ayaka Yamashita de 10 anos, além do ataque das outras de três meninas naquela mesma época.

Ele mantinha um diário onde registrava com detalhes os seus crimes:

“Realizei experimentos sagrados hoje para confirmar o quanto os seres humanos são frágeis. Eu acertei a menina (Ayaka Yamashita) com a barra de ferro quando ela se virou para mim. Acho que bati nela algumas vezes, mas eu estava muito excitado para lembrar o número de vezes … …

Esta manhã, minha mãe me disseram: “Pobre menina. A menina atacada parece ter morrido”. Não há nenhum sinal de que serei pego. Eu te agradeço, Bamoidokishin, por isso … Por favor, continue me protegendo.”

Análise

O perfil da personalidade de Sakakibara é visto como um exemplo clássico de Psicopatia. Em uma análise do caso, o jornalista Gamal Nkrumah escreveu:

A pior coisa sobre o caso de Sakakibara é que todos podem ter visto que algo não estava bem. Contudo nem sua família – nem o Japão – perceberam os sinais indicadores. As crianças japonesas são confrontadas com uma educação e uma bateria de exames educacionais bem acima do que uma criança de 6 anos poderia aguentar, seu desempenho determina eficazmente seu futuro inteiro, por isso logo cedo é decidido se irão a uma escola elementar boa, ou uma das escolas de estaduais (consideradas ruins). Os pais não têm nenhuma fé no sistema do estado, e a mãe de Sakakibara não era nenhuma exceção; ela pressionou os encarregados acadêmicos, mesmo que psicólogos a advertissem que seu filho era mentalmente instável. Em suas declarações, ele disse que matou seu colega como um ato de “vingança” contra o sistema escolar implacável.

Os analistas e os psicólogos encontraram inúmeras perturbações. Como um “assassino Otaku”, Sakakibara desde muito cedo vem percorrendo um trajeto violento, começou a carregar armas de corte quando ainda aprendia a escrever na escola elementar, no seu diário escreveu: “eu diminuo minha irritação quando eu estou girando minha faca e minha tesoura como se fosse uma pistola.” Com 6 anos já estava torturando e matando filhotes de animais como se fosse um passatempo, com 12 anos exibiu o que seria o extremo em relação à crueldade contra os animais, fazendo uma fileira das rãs em uma rua e passando sobre elas com sua bicicleta, mutilando gatos e decapitando pombos. Mais tarde começou a agredir meninas enquanto estas iam para a escola

Seito escreveu em seu diário:

“eu realizei experiências hoje para confirmar como os seres humanos são frágeis… Eu coloquei em ação o meu martelo quando a menina virou para me enfrentar. Eu penso que eu bati apenas algumas vezes, mas eu estava excitado demais para recordar.” Na semana seguinte, escreveu sobre o assunto: “esta manhã minha mãe me disse: ‘ Pobre menina, a menina atacada parece ter morrido.’ não há nenhum sinal de que meu caminho esteja sendo desviado…Eu agradeço, deus Bamoidooki, por isso… Continue por favor a proteger-me.

” O Bamoidooki imaginário é uma cabeça flutuante de Buda com um símbolo da suástica japonesa.

Ocasionalmente, em uma busca no quarto de Sakakibara foram achados milhares de HQs, Mangás e animes, chamando a atenção pela falta de restrições etárias, méritos literários ou educacionais, e repletos de cenas jorrando sangue e crueldade. No Japão existe uma política de limite, onde os adultos devem ser responsabilizados por esse tipo de material, caso estejam em posse dos filhos, exceto quando o conteúdo desses materiais são leve.

Depois do julgamento

Três anos depois dos acontecimentos, a responsabilidade criminal no Japão baixou de 16 anos para 14 anos em conseqüência dos assassinatos de Sakakibara Por ser menor de idade ele não foi julgado como adulto e seu nome não foi divulgado. Ele ficou conhecido no Japão como “Garoto A”. Passou 6 anos em tratamento em um hospital psiquiátrico e em 2003, ele foi julgado para ser “curado” de seu sadismo sexual e compulsão para matar.

Foi libertado em 10 de março de 2004, aos 21 anos, sua libertação foi anunciada ao público e as famílias das vítimas seriam periodicamente notificadas de seu paradeiro.

A opinião pública foi contra a sua libertação, realizando um protesto exacerbado para que ele fosse para a prisão. Após o 01 de junho de 2004, assassinato de Satomi Mitarai , que foi cometido por uma menina de 11 anos, cujo nome foi revelado apenas como “uma menina”, as discussões para uma futura revisão da lei foram iniciadas. Houve também algumas pessoas que declararam que Seito foi injustamente acusado. Entre eles estavam Shojiro Goto, um advogado especializado em casos de falsas acusações; Hidehiko Kumagai, e Nobuyoshi Iwata, ex-diretor do Seito.

A sua Liberdade condicional supervisionada durou apenas até 31 de dezembro de 2004. Foi relatado que ele já não era mais obrigado a responder ao seu agente de condicional, ele se mudou duas vezes e em seguida desapareceu. Até mesmo o seu pai afirma que não tem notícias de seu filho desde o ano passado, e diz que não sabe onde seu filho está vivendo.

Hoje, o “Garoto A” é um homem livre com uma nova identidade.

Fontes próximas do caso disseram que o Garoto A costumava ler notas escritas pelas famílias das vítimas e que gostaria de trabalhar para pagar-lhes uma indenização. Aparentemente ele foi curado. Será? Com sua identidade protegida pela Justiça The Killer Kobe poderia estar em qualquer lugar, talvez à espera para atacar novamente.

Gostou do artigo? Deixe sua opinião abaixo e compartilhe com seus amigos (Equipe Hanasu 話す)

Compartilhar

Deixe aqui seu Comentário